17 de maio de 2024

Brazil 24 Horas

O Brasil 24 Horas preza pela qualidade das informações e atesta a verificação de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, porém, que não faz nenhum tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidental ), custos e lucros cessantes.

Entendendo a Diferença entre Tristeza e Depressão

Você conhece alguém que parece constantemente triste, sem vontade de realizar atividades ou que chora sem motivo aparente? É importante considerar a possibilidade de que essa pessoa esteja lidando com a depressão. Este artigo busca esclarecer esse tema crucial.
Espalhe o amor

Você conhece alguém que parece constantemente triste, sem vontade de realizar atividades ou que chora sem motivo aparente? É importante considerar a possibilidade de que essa pessoa esteja lidando com a depressão. Este artigo busca esclarecer esse tema crucial.

Tristeza e depressão são frequentemente confundidas, mas são experiências distintas. A tristeza é um sentimento momentâneo, uma reação natural a eventos desagradáveis. Ela faz parte da gama de emoções humanas e, de fato, pode fortalecer-nos à medida que aprendemos com ela. Por exemplo, é normal se sentir triste após a perda de um emprego, o fim de um relacionamento ou outros eventos inesperados.

Por outro lado, a depressão é uma condição médica que impacta significativamente a vida da pessoa. Desconfie da presença de depressão quando a tristeza é constante e desproporcional aos acontecimentos. Além disso, a depressão não se limita à tristeza; é acompanhada por um conjunto de sintomas que merecem atenção:

  • Ânimo e Prazer: Perda de interesse em atividades antes apreciadas, conhecida como anedonia.
  • Alterações de Peso: Ganho ou perda de peso inexplicada.
  • Padrões de Sono: Insônia (dificuldade para dormir) ou hipersonia (excesso de sono).
  • Dificuldade de Concentração: Problemas de memória e concentração.
  • Fadiga e Baixa Energia: Sensação constante de cansaço e falta de energia.
  • Diminuição da Libido: Perda de interesse em atividades sexuais.
  • Sentimento de Culpa: Culpar-se excessivamente e ter pensamentos negativos.
  • Pessimismo Intenso: Enxergar o mundo de maneira distorcida e negativa.

É fundamental destacar o risco de suicídio associado à depressão. A depressão é um fator significativo para o suicídio, e dois pontos merecem destaque:

  1. Uso de Substâncias: Indivíduos deprimidos podem recorrer a álcool e drogas para aliviar a angústia, mas isso intensifica o quadro.
  2. Sinais de Alerta: Pensamentos recorrentes de morte e suicídio são indicadores graves.

No Brasil, cerca de 10 mil pessoas morrem por suicídio a cada ano, e globalmente, uma pessoa tira a própria vida a cada 40 segundos. A depressão pode afetar qualquer faixa etária e pode ser desencadeada por outras condições médicas.

Procurar ajuda é fundamental. A depressão não é sinal de fraqueza; é uma condição tratável. Se você ou alguém que você conhece apresenta esses sintomas, consulte um médico especialista em saúde mental, como um psiquiatra. O diagnóstico precoce é essencial para retomar o bem-estar.

Lembre-se: no Brasil, estima-se que 10% da população sofra de depressão, mas apenas 4% recebem diagnóstico e tratamento adequado. A saúde mental é fundamental, e buscar ajuda é um passo crucial para a recuperação.

Imagem @freepik


Espalhe o amor